Pixi.

Pixi is a creative multi-concept WordPress theme will help business owners create awesome websites.

Address: 121 King St, Dameitta, Egypt
Phone: +25-506-345-72
Email: [email protected]

11 Dicas LGPD e cookies em 2021

  • Por Josele Delazeri
  • 2 de março de 2022
  • 0 Comentários
  • 135 Visualizações

 

11 Dicas LGPD e cookies 

Afinal, o que são cookies?

Os dados que os sites coletam dos usuários são chamados de cookies no marketing digital.

Acima de tudo, eles ajudam as marcas a conhecer melhor o perfil de quem visita seu site e melhorar a experiência de navegação.

Sobretudo, o problema é que a coleta e o uso desses dados vêm sendo questionados no âmbito da privacidade dos usuários.

Conforme, cookies são pequenos arquivos contendo dados.

Visto que, esses são colocados em seu computador por meio do navegador quando você visita um site. 

Portanto, os cookies são uma ferramenta útil – e necessária – para proprietários de sites.

Pois, podem armazenar muitos tipos diferentes de dados.

Assim sendo, essenciais para o bom funcionamento de um site.

Então, os cookies também podem conter informações diferentes.

Por exemplo, como um visitante usa determinado site, sua localização ou preferências de idioma.

Ou ser usados para rastrear a atividade online dos usuários.

Assim, direcionar os visitantes com anúncios relevantes. 

Logo, isso pode ser útil para fins de marketing.

Ou para criar uma experiência de usuário personalizada.

Porém, é importante observar o que diz a LGPD.

Regidos pela LGPD

Primeiramente, o uso de cookies e sua aquisição e gerenciamento de consentimento são regidos pela LGPD.

Acima de tudo, as bases legais são presunções da LGPD que autorizam o uso dos dados pessoais. 

Então, a Lei exige que a coleta, o tratamento e a transmissão dos dados sejam feitas por meio de uma base legal.

Enfim, que possa justificar o uso dessas informações. 

Logo, com a LGPD em vigor, o uso de informações pessoais sem uma base legal acaba ferindo a Lei.

11 Dicas LGPD e cookies

  1. Consentimento prévio do usuário
  2. Informações sobre a experiência de navegação
  3. Barra de consentimento
  4. Carrinhos de compra
  5. Finalidade dos cookies
  6. Dados dos cookies
  7. Cookies necessários
  8. Cookies não essenciais
  9. Informações precisas e claras
  10. Confiança do consumidor
  11. Classificação dos cookies

 

via GIPHY

Dicas LGPD e cookies

# 1 – Consentimento prévio do usuário

Com isso, antes de colocar cookies ou tecnologia de rastreamento semelhante.

Inclusive, você deve primeiro receber o consentimento prévio do usuário.

Por certo, independentemente de processar seus dados pessoais ou não.

# 2 – Informações sobre a experiência de navegação

Em síntese, informações sobre a experiência de navegação no website.

Por exemplo, as seções visitadas, conteúdo e serviços visualizados, o tempo de visualização.

Enfim, referência externas que o levaram o usuário ao website.

Deste modo, estas informações devem ser  empregadas.

Portanto, para você entender que tipo de conteúdo desperta maior interesse.

Em vista disso, produzir materiais e conteúdos mais assertivos para os usuários.

Barra de consentimento

# 3 – Barra de consentimento

Então, adicione uma barra de consentimento de cookies ao seu site.

Logo, para notificar os visitantes sobre o uso de cookies.

# 4 – Carrinhos de compra

Por exemplo, o e-commerce utiliza no carrinho de compra.

Acima de tudo, na medida em que recomendam o produto com base nas buscas daquele usuário.

Ou armazenam os produtos que ele não finalizou a compra, mas adicionou ao carrinho. 

Atualmente, utilizam-se os cookies permanentes, armazenados até expiração ou exclusão. 

Principalmente, podem ser usados para coleta de informações de identificação sobre o consumidor.

# 5 – Finalidade dos cookies

Sobretudo, confirmar a finalidade de cada um dos cookies que você usa, ou pretende usar.

Dados dos cookies

# 6 – Dados dos cookies

Então, identifique quais dados os cookies contém.

# 7 – Cookies necessários

Enfim, distinguir entre quais cookies são estritamente necessários e quais não são.

# 8 – Cookies não essenciais

Sempre garantir que seu mecanismo de consentimento.

Igualmente, permita que os usuários controlem a configuração de todos os cookies não essenciais.

Enfim, cumprir a LGPD.

via GIPHY

Informações precisas e claras

# 9 – Informações precisas e claras

Primeiramente, verifique se as informações de privacidade são precisas e claras sobre os cookies.

# 10 – Confiança do consumidor

Acima de tudo, faça com que os visitantes entendam a importância dessas informações.

Então, tenham confiança de que elas estão seguras com a sua empresa.

Além disso, que sua empresa está de acordo com a LGPD.

# 11 – Classificação dos cookies

Conforme, os cookies podem ser classificados em primários e terciários.

Portanto, cookies primários são os cookies criados pelo próprio website.

Assim sendo, cookies de terceiros são os cookies criados por outros sites.

Por exemplo, sites de anunciantes, de patrocinadores, apoiadores.

Deste modo, também são armazenados no computador do usuário.

E se a utilização de cookies ficar restrita?

Quais as melhores alternativas para substituir os cookies? (Rock Content)

Ok, mas se os navegadores estão propondo um futuro sem cookies no marketing digital, quais são as alternativas?

O Google sabia que esse movimento seria impactante para a indústria da publicidade e iniciou o Privacy Sandbox, que reúne uma série de medidas para toda a internet, com o intuito de definir parâmetros operacionais para a publicidade digital que garantam a privacidade dos usuários.

Entre as propostas, está o algoritmo FLoC (Federated Learning of Cohorts). A ideia dessa tecnologia é reunir os usuários em grupos grandes (coortes) com hábitos de navegação em comum e, então, direcionar anúncios relevantes baseados nas suas características e interesses.

Dessa forma, o algoritmo consegue ocultar indivíduos em grandes multidões de pessoas com interesses em comum. Assim, as empresas não teriam acesso a dados individualizados, apenas aos coortes.

Além disso, como alternativa para o “cookieless future”, o Google indica também o fortalecimento dos dados first-party. Em um mundo que privilegia a privacidade, estabelecer relações próximas e diretas com os clientes, em vez de depender de terceiros.

Para o marketing, esse tipo de relação fortalece a confiança dos usuários nas marcas e permite que elas ofereçam uma experiência mais significativa e envolvente ao longo de toda a jornada.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.